Ministério Público (MP-RJ) aperta o cerco contra o senador Flávio Bolsonaro

As investigações do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) reuniram novos indícios do envolvimento do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) com um suposto esquema de lavagem de dinheiro associado à prática de “rachadinha”, pela qual o parlamentar, quando era deputado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), ficaria com parte dos salários dos funcionários do gabinete. O MP-RJ descobriu que Flávio e a mulher, Fernanda, pagaram R$ 638,4 mil em dinheiro vivo pela compra de dois imóveis no bairro carioca de Copacabana. O inquérito do MP-RJ teve como ponto de partida um relatório do Coaf, que alertou para movimentações atípicas nas contas bancárias de Queiroz, por onde passaram  R$ 2 milhões entre saques e depósitos, entre janeiro de 2016 a janeiro de 2017. Os promotores descobriram que as contas do ex-assessor receberam vários depósitos de funcionários do gabinete ocupado por Flávio Bolsonaro na Alerj.

Compartilhe em suas redes!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *